Skip to content

Definições

“Como defines sucesso, define-te.”

Todd Henry

É fácil nunca chegarmos onde queremos, se não soubermos onde queremos chegar, qualquer sítio se torna uma alternativa, mas uma que não nos agrada.

Nesta época natalícia é frequente perguntarem-nos o que queremos de prenda, para tornar a compra de prenda mais fácil, não ter de pensar muito e simplesmente comprar o que a pessoa pediu. No entanto este comportamento revela duas coisas muito interessantes.

Primeiro, não nos damos ao trabalho de conhecer bem as pessoas a quem pretendemos dar as prendas, de maneira a saber qual a prenda que as pessoas gostariam, tornámo-nos autocentrados e preguiçosos.

Segundo, e mais grave é que a maior parte de nós não sabe o que quer, incluindo prendas de Natal, mas ficamos tristes quando a prenda que a pessoa que perguntou o que queríamos, é algo que não nos agrada. Tratamos a maior parte das decisões da vida desta forma, falo por mim e por muitas pessoas que conheço, não sabemos o que é a nossa definição de alegria, felicidade, paz, sucesso, mas reclamamos que a vida não corre como gostaríamos. Do género:

“Não sei o que quero, mas não é o que tenho.”

Nesta frase estão espelhadas várias coisas que são receita de frustração, descontentamento e amargura.

Revela que não existe gratidão pelo que se tem, revela que não há clareza naquilo que andamos a fazer nem para onde estamos a ir, e revela que esperamos impacientemente que algo ou alguém nos revele, e nos conduza, ao que nos irá fazer felizes.

Acho que já deu para perceber que esperar que a vida se torne perfeita porque esperamos que assim seja é um caminho certinho para uma vida infeliz e sem sentido.

Não estou a dizer que não há imprevistos, sorte, azar, e tudo o que não controlamos, mas a grande questão aqui é que confundimos mais vezes do que o necessário o que é um imprevisto, e aquilo que depende de nós. A juntar a isso confundimos os factos com percepções.

“Não fui promovido, porque o patrão me odeia” mistura factos, o não ser promovido, com uma opinião, ou até se pode dar o caso de o patrão odiar a pessoa, mas nada faz com que esta pessoa avance, mais importante ainda, que consiga viver a vida realizada e feliz.

Será que a promoção era mesmo aquilo que a pessoa queria? Porquê?

Para ganhar mais dinheiro, reconhecimento?

Há muitos casos que as pessoas ficam tristes por algo não acontecer, apenas porque acham que aquilo é o esperado não porque seja aquilo que realmente querem, pois desconhecem o que no fundo no fundo, são os seus desejos e aspirações.

Não adianta resistir ao que está a acontecer, sobretudo quando ainda não temos claro em nós para onde pretendemos ir, de que forma, com quem, mas mais importante porquê.

A clareza é o acelerador que nos permite chegar mais depressa aos estados emocionais que desejamos experienciar, pois o que nós queremos é sentir, viver experiências, e eu sei com cada vez mais certeza que os estados que pretendemos sentir estão disponíveis mais vezes do que as que identificamos porque andamos desatentos, a olhar demasiado em frente, mas sem saber para onde estamos a olhar.

Passo a explicar. Se eu quero sentir a emoção de escrever, eu escrevo, não preciso de ser um escritor reconhecido por outras pessoas, de ter um livro publicado. Começo por decidir que quero escrever, escrevo, sinto a emoção de escrever, e os livros e o reconhecimento externo serão apenas uma consequência não a causa de gostar de escrever, pois se o reconhecimento for a causa estou a colocar nos outros e nos imprevistos a chave do meu sucesso.

Sabes claramente o que é para ti o sucesso?

E o inverso, sabes claramente é o que para ti um fracasso?

Se souberes a clara definição para ti, reforço, para ti o que é um sucesso e um fracasso, não páras, simplesmente não páras. Porquê?

Porque continuarás a trabalhar até sentires na tua pele os teus vários sucessos, e não te limitarás por uma contrariedade mascarada de fracasso.

Tenho confundido muitas vezes reconhecimento com sucesso, tenho confundido muitas vezes dificuldades com fracasso, e são coisas muito diferentes, tornam-se parecidas ou mesmo iguais quando não estudei bem a matéria, quando não investiguei a fundo o que é para mim um fracasso e um sucesso.

Se eu não perceber muito de carros, um Ferrari ou um Lamborghini são simplesmente a mesma coisa, carros desportivos, mas para os amantes de um ou de outro, são coisas muito diferentes e serão capazes de me descrever uma lista enorme de particularidades que tornam este ou aquele muito melhor que o outro.

Poderemos dizer que é uma questão de gosto e que gostos não se discutem, mas quando se trata da nossa vida, é importante discutir a fundo connosco o que é para nós um sucesso e um fracasso.

Poderá ser a diferença de chegarmos ao fim e vê-la como um sucesso ou um fracasso.

Para mim, sucesso é saber que tentei, que fui à luta, que cresci quando as coisas assim o exigiram, e que fui o meu melhor, uma pessoa resiliente mas tolerante e compassivo.

Fracasso é quando me encolho, quando não tento porque os outros podem dizer isto ou aquilo, ou quando estou demasiado focado em mim, em salvar a minha pele que não reparo nos outros ou até os trato mal.

E tu, quais as tuas definições de sucesso e de fracasso?

Envia para rui@falarcriativo.com

Comments are closed.