episódio 38 Ricardo Fonseca

O convidado desta semana é o Ricardo Fonseca, enfermeiro e escritor, tendo já publicado vários livros.

O Ricardo é seguidor do Falar Criativo, e em tempos entrou em contacto comigo e partilhou aquilo que faz.

A oportunidade de conversarmos surgiu, pois com esta época de férias, percorri a lista de possíveis convidados e poucos foram os que estavam disponíveis, mas o Ricardo, de forma muito simpática acedeu com apenas um dia de antecedência. Algo que lhe fico muito agradecido.

Na entrevista exploramos o gerir de uma profissão e uma paixão que consome bastante tempo, entre o escrever de livros e os workshops de escrita do autoconhecimento, e como é tudo uma questão de prioridades, se há algo que realmente queremos fazer temos de dizer não aquilo que simplesmente podemos ou não fazer. Sei por experiência própria que é muito fácil dizer que sim a certas coisas só porque é isso que esperam de nós, ou naquele dia parece mais fácil, mas acabamos por nos afastar demasiado da rota que havíamos traçado. Não que seja mau deambular e investigar outras coisas, mas se dizemos que o nosso maior sonho é ser jogador de póquer, passar os dias a cozinhar de certeza que não nos leva à mesa de póquer.

A escrita como ferramenta para o autoconhecimento, do que de deu a perceber pela nossa conversa, é uma ferramenta muito útil, pois liberta-nos do jogo interminável dos diálogos internos, colocando o papel e a caneta pelo meio, permitindo assim ter quase uma perspectiva externa à situação, sendo mais honestos connosco próprios e talvez até menos críticos.

Aquilo que retive como a cereja no topo do bolo, foi uma reflexão que o Ricardo partilha no final, “termos a capacidade de bater palmas a nós próprios.”