episódio 52 Little Hands

As convidadas desta semana, (sim são duas, uma estreia no podcast) são o “duo” de ilustradoras da Little Hands, a Leonor Feijó e a Marta Belo, cuja empresa vende a maior parte daquilo que produz para o estrangeiro.

A entrevista foi falada já há muito tempo, mas nas vésperas das convidadas partirem de viagem durante um mês, daí só agora ter sido possível concretizar a entrevista.

Foi via Skype pois estavam no Porto, e eu na minha casinha. Durante a entrevista parecia-me ouvir ressonar, mas não quis dizer nada. No fim, perguntei, “Vocês não têm aí um labrador ou um boxer a ressonar? Ah sim, temos um labrador.” Mistério resolvido.

A conversa começou algo timidamente, pois as entrevistadas não sabiam muito bem ao que iam, pois não tinham escutado nenhum dos episódios.

Quebrado o gelo inicial, que normalmente é quebrado enquanto monto os microfones, nas situações em que é presencialmente, a conversa começou a fluir, e entrámos naquilo que eu mais tinha curiosidade de saber.

O que leva alguém a arriscar, a levar as coisa em frente, em ser teimoso para ultrapassar os muitos obstáculos de quem está a começar, e que como falámos, a sensação de muitas vezes ser uma fraude, de aquilo que estamos a querer “vender” não ser bom o suficiente para justificar o dinheiro ou a atenção das pessoas.

Não tendo nenhuma delas formação na área, a Leonor tirou fotografia e a Marta arquitectura, conseguiram vingar num meio muito competitivo, mas teve de ser lá fora primeiro o reconhecimento e só depois em Portugal. Várias vezes pensei em negócios que dependem de um mercado maior ou inexistente em Portugal, e várias vezes me contrariei, dizendo “Não dá, com os portes que terias de cobrar, é impensável…”.

Mas dá, a Little Hands é exemplo disso, até para a Austrália enviam papel de parede. (Nota mental: Toma lá ó critíco!)

Falámos dos cursos superiores não serem necessários, mas sim vontade, teimosia, persistência, etc, mas tudo isto vem da paixão, do gosto naquilo que se faz, por isso gostaria de deixar um último motivo de reflexão.

Se ao fazerem aquilo que fazem, a única pessoas feliz forem vocês, será que não vale a pena?

Eu tenho a minha resposta, aguardo as vossas por mail, rui@falarcriativo.com.

Gostaria de pedir a quem puder ajudar a causa que falámos na nossa conversa, que o faça, as instruções estão no link.