Tagged andré oliveira

AndreOiveiraII-blog

episódio 115, André Oliveira regressa

Esta semana o André Oliveira regressa à conversa comigo, uma vez que na primeira parte, ficou muito por falar. Foi algo que ambos sentimos, sobretudo porque o André ouviu as minhas conversas com o Filipe Andrade e o David Soares, conversas longas que tiveram o espaço/tempo para ir mais longe.

O André foi lá ter a casa, espaço onde gosto de receber as pessoas, que me é familiar, e que me dispõe a ouvir.  Em relação ao ouvir, há algo mais esotérico que vou partilhar.

Ao preparar-me para esta nova conversa com ele, encontrei um texto muito interessante no seu blog escrito pela mulher, a Sofia, intitulado “Só mais uma ideia duvidosa”, e ao acabar de o ler ouvi uma voz na minha cabeça que me disse “Ouve-o com atenção, há muito que podes aprender com a sua sabedoria”. Se ainda continuas a ler o texto é porque não te assustei.

De facto aprendi muito com o André, há mestria na maneira como desenvolve os seus argumentos, como se coordena com os ilustradores, mas sobretudo na coragem que tem de explorar as suas inquietações através dos seus personagens. Inquietações também eu tenho muitas, mas não desenvolvi a capacidade de as projectar em “entidades” exteriores a mim, nem com elas construir histórias cativantes capazes de ganhar prémios.

Uso muitos destes textos que vou escrevendo, aqui e na newsletter como forma de me afastar, de ler de outro ponto de vista coisas que de outra forma me arrebatam, que me paralisam. O André parte de “ideias duvidosas”, e constrói outras realidades, que passam a existir, que podem deixar ainda mais dúvidas, mas que se tornam certezas através do trabalho dedicado que ele coloca nelas.

Falámos no exemplo que quer ser para a sua filha, de possibilidade, que mais do que palavras quer deixar exemplo, algo que é muito mais poderoso do que tudo o que se possa dizer.

Ele falou não se lembrar de no seu percurso académico ter tido professores que tivessem sido exemplo para ele, que tivessem tido um papel marcante naquilo que ele faz e acredita. Ouvi outro dia uma frase que referia “haver muita preocupação com dificuldades de aprendizagem, mas pouca ou nenhuma com dificuldades no ensino“. Há com certeza professores que por este ou aquele motivo não são exemplo, que tem dificuldades em cativar os alunos, e que não fazem ideia de como apontar caminhos que permitam aos alunos descobrir caminhos mais desafiantes, mas em sintonia com o que de único e especial tenham. Sim, todos temos algo em que somos diferentes, únicos, e por essa razão especiais. Não digo que com isto sejamos todos os maiores e mais bem sucedidos na área que escolhermos, mas seremos com certeza seres humanos mais realizados, felizes, e com disponibilidade para o outro, pois não teremos de andar sempre a navegar os desejos e expectativas que os outros têm para nós.

O André disse que antes de encontrar este meio de expressão andava à deriva, sem saber quem era, a diferença é que hoje em dia, a escrita se tornou um veículo para não ficar parado.

Desejo encontrar o meu veículo. Sinto de alguma forma ser este, o de conversar com almas inquietas e criativas, que questionam, que mais do que profetas, querem ser exemplos de possibilidade.

 

 

AndreOliveira-blog

episódio 107 – André Oliveira

O convidado desta semana é o André Oliveira, argumentista que recentemente ganhou o prémio de melhor argumento no festival de banda desenhada da Amadora, com o livro “Volta”.

Nas minhas visitas ao festival, tomei contacto com o trabalho do André, e rapidamente percebi que, primeiro tinha de comprar o livro “Hawk”, e de seguida falar com ele.

No dia que comprei o livro, fui logo lê-lo, e como a minha história tem muitas coisa parecidas com o Vicente (o personagem principal), facilmente tocou em botões dentro de mim que me fizeram comover, a ponto de ter ficado num estado quase de transe emotiva, da qual só acordei quando voltei ao meu local de trabalho e uma colega me pergunta o que é que se tinha passado, se estava tudo bem.

Estava tudo bem, porque como falei com o André, procuro ser tocado pela arte, sentir-me vivo, sentir renascer coisas que fui desligando, tornar-me mais daquilo que sou.

Nos dias antes de falar como André fartei-me de comentar com várias pessoas que o ia entrevistar, e que até estava algo nervoso, uma vez que percebi pela investigação que fiz, tratar-se de um excelente argumentista, mas acima de tudo uma boa pessoa.

O texto que o Mário Freitas escreveu como prefácio da colectânea “Casulo”, descreve o Sr Oliveira, que se torna André como sendo um aglutinador de pessoas à sua volta, e alguém com a capacidade de rir de si próprio.

Aquilo que vos posso dizer é que reconheço nele uma grandeza que senti também no Filipe Melo, pessoas que são muito maiores que a sua obra, sendo essa obra gigante. Essa grandeza vem de uma grande generosidade criativa, um ego diminuto que permite trabalhar com muitas e variadas pessoas, com igual grau de sucesso.

Se há característica que tento copiar é essa de conseguir não alimentar o ego, nem sempre o consigo. E a razão para esse insucesso, vem de querer ser visto pelos outros como relevante, e aqueles que são relevantes, simplesmente o são.

Ele escreve livros “na sua pessoa”, e eu tento fazer entrevistas na minha pessoa, e aqueles que correram menos bem, foram aqueles em que tentei ser outra pessoa, alguém que achava ser mais o mais indicado para a ocasião, mas não eu. Nessas ocasiões escondi-me, e quem apareceu era um boneco de cartão, sem profundidade. E é na profundidade que está o valor.

Percebo cada vez melhor a força que existe na persistência e na capacidade de ser parte, e não estar permanentemente aos saltos para ser escolhido.

Eu escolho ser parte, eu escolho sonhar com um mundo onde não se divide a tarte em mais partes, mas todos fazemos uma tarte maior.

A banda desenhada parece-me caminhar nesse sentido, e eu fico muito feliz por isso.

Livros sugeridos:

  1. “O Amor infinito que te tenho e outras histórias” do Paulo Monteiro
  2. “Lisboa Triunfante” do David Soares