Tagged Música

assuntos relacionados com a música

Rafael-Ribeiro-blog

episódio138, Rafael Ribeiro

O convidado desta vez é o Rafael Ribeiro, músico, técnico de som, produtor, professor de música, e acima de tudo uma pessoa com as ideias bem claras do que quer.
Tem uma banda, os Zuuzaa, que dia 3 de Setembro tocaram na Festa do Avante.
Livros referidos:

Para ler o texto mais longo com a minhas reflexões sobre a nossa conversa, tornem-se patronos no Patreon.

FalarCriativo-Frankie-Chavez-blog

episódio 137, Frankie Chavez

O conviado desta vez é o Frankie Chavez, músico, ao qual cheguei por ter trabalhado com a mulher dele há uns anos. Quando comecei o podcast, foi das primeiras pessoas que convidei e que acedeu, mas só agora, passados quase quatro anos, as agendas alinharam para conseguirmos ter a nossa conversa.

O livro referido é o “Shantaram” do Gregory David Roberts.

Para ler o texto mais longo com a minhas reflexões sobre a nossa conversa, tornem-se patronos no Patreon.

Melo_D-Blog

episódio 136, Melo D

O convidado desta vez é o Melo D, músico que tem feito muita coisa, em nome próprio e colaborando com outros.

Conheci o Melo D numa festa, desde o início da festa que me parecia ser ele, mas não tinha a certeza, até que alguém lhe perguntou para quando um novo disco, aí disse-lhe: “Ah, tu não és um gajo parecido com o Melo D, tu és “O” Melo D!”

Nessa festa estavam três anteriores convidados, a Mercês Gomes, o João Banazol, e a Marta Mestre, coisa que por vezes já me acontece, ir a sítios onde encontro vários convidados do podcast, e isso dá-me gozo, a rede que tenho construído, e o priveligiado que sou em poder conhecer estas pessoas.

Livro falados:

Foto de Graziela Costa.

Para ler o texto mais longo com a minhas reflexões sobre a nossa conversa, tornem-se patronos no Patreon.

 

 

Rui-Pite-FC-blog

episódio 132 – Rui Pité aka RIOT

O convidado desta vez é o Rui Pité também conhecido como DJ RIOT, membro fundador dos Buraka Som Sistema.

Tive a sorte de encontrar o Rui no meu local de trabalho, e fiz logo questão de lhe dar os parabéns pelo magnífico concerto de despedida que os Buraka tinham dado em Belém, e claro de o convidar a participar no podcast, ao que acedeu sem hesitar.

No dia combinado lá fui ter com ele ao seu estúdio, onde rapidamente criámos ligação e começámos a conversar, e a conversa foi longa, mais de duas horas…

 

Se quiserem ajudar o podcast podem fazê-lo através do Patreon.

 

 

 

Cafe-Dalma

episódio 111 – Café D’Alma

Os convidados desta semana são um, mas também são cinco. São um grupo, os Café D’Alma, mas também são o Nicholas Ratcliffe, a Nádia Sousa, o Jaime Ferreira, a Susana Amaral e a Bárbara Santos.

O Nicholas é professor de guitarra de um dos primeiros convidados, o João Banazol, e um dia em conversa com ele surgiu o grupo que o Nicholas tinha, e que seria interessante entrevistar um grupo inteiro.

Passado quase um ano desta conversa, comecei a falar com o Nicholas sobre essa possibilidade, e ele disse-me que daria jeito também ter a entrevista para algo que eles estão a desenvolver para lançamento do grupo.

A preparação que fiz foi um pouco diferente, estudei cinco pessoas de uma só vez, mas também tive de estudar e perceber o tos, os Café D’Alma.

Tive receio que a conversa fosse demasiado fragmentada ao dividi-la pelos cinco, mas não, talvez também pelo facto de o Nicholas e a Nádia terem de alguma forma tomado a seu cargo o falar sobre o grupo, sobre os processos e dinâmicas.

É um conjunto de pessoas, de percursos diferentes, mas que se quiseram juntar para fazer algo diferente para todos, pois embora tivessem tido projectos anteriores, alguns até semelhantes, neste tentam explorar novos territórios fazendo uma mistura rica e diversificada.

Eu admito que ao ouvir algumas coisas deles, senti algo de Madredeus, não sei se pela presença do violoncelo e do acordeão, mas são outra coisa, outro ambiente e uma outra alma.

Eu percebi que seria um desafio pôr todos a participar de maneira igual. Quando os conheci minutos antes da entrevista, alguns membros achavam que não teriam de  falar, e que seria mais fácil se soubessem o que eu ia perguntar. Tentei fazê-los rir, brincando com eles para diminuir o nervosismo, de tal forma que penso ter sido demasiado brincalhão durante a nossa conversa. Mas talvez tenha conseguido tirar mais deles por isso mesmo.

Espero que venham a ser grandes. Têm a sensibilidade, a vontade e a capacidade.