Tagged tatuagens

Hugo-Makarov-Blog

episódio 73 Hugo Makarov

O convidado desta semana é o Hugo Makarov, um desenhador compulsivo, que conheci através da Sónia Fernandes, essa grande senhora de me apresentar pessoas, e que por acaso apareceu durante a entrevista e se sentou a ouvir a nossa conversa.

A entrevista foi no espaço da cafetaria do Cowork Lisboa, sítio que me tem servido para fazer muitas entrevistas ultimamente.

Das duas ou três vezes que estive com o Hugo, aquilo que passou foi sempre a mesma coisa, alguém que adora desenhar, que desenha enquanto conversa, e que encara as coisas com naturalidade e descontração.

Isto não quer dizer que não tenha ideias bastante marcadas sobre o que quer para si e para os seus desenhos, seja vê-los num anúncio, numa parede, ou mesmo tatuado no braço de alguém.

Já tem um percurso de fazer inveja a muita gente, mas foi ele que o construiu, começou cedo a tatuar, aos 19 anos, mas sempre acompanhado pela sua paixão pelo desenho.

Poderá parecer fácil e simples, o Hugo transmite na sua presença e no seu discurso, uma força que parece não ter limites, que não se cansa, uma energia silenciosa, mas que sentimos poder mover montanhas, algo que me parece a mim ser aquilo que tenho pouco, determinação.

Foi relativamente simples perceber que a influência da paixão do pai do Hugo pela banda desenhada, teve na escolha de forma de expressão, como o Hugo diz, o pai é um apaixonado pela mesma, e é engraçado de ver a referência que o Hugo Pratt é para o Hugo Makarov, dizendo mesmo que se pudesse viveria a vida do referido autor.

Seja alguém que conhecemos pessoalmente, alguém que vemos nos jornais, ou tão somente alguém que admiramos o trabalho, devemos ter ídolos, mestre, mentores, o que lhe queiramos chamar, são eles que nos indicam o caminho, porque ninguém consegue chegar onde tem de chegar, sozinho.

 

episódio 16 Bruno Vinagre

O convidado desta semana é o Bruno Serra Vinagre, tatuador, um dos sócios da BloodBrothers Incoporated, skater, practicante de jiu-jitsu, um artista, pois o que que faz nas pranchas e na pele, é arte.

Foi uma conversa descontraída sobre o processo criativo de um tatuador de alguém que desenha com a tatuagem gravada na maneira de ver os desenhos.

Com o Bruno percebi que, quando nos dividimos por mais de uma tarefa, a organização toma um papel fundamental, e que o afastamento, e o desporto são sem dúvida uma motivação para voltar com força para o trabalho criativo.