Tagged volta – o segredo do vale das sombras

AndreOiveiraII-blog

episódio 115, André Oliveira regressa

Esta semana o André Oliveira regressa à conversa comigo, uma vez que na primeira parte, ficou muito por falar. Foi algo que ambos sentimos, sobretudo porque o André ouviu as minhas conversas com o Filipe Andrade e o David Soares, conversas longas que tiveram o espaço/tempo para ir mais longe.

O André foi lá ter a casa, espaço onde gosto de receber as pessoas, que me é familiar, e que me dispõe a ouvir.  Em relação ao ouvir, há algo mais esotérico que vou partilhar.

Ao preparar-me para esta nova conversa com ele, encontrei um texto muito interessante no seu blog escrito pela mulher, a Sofia, intitulado “Só mais uma ideia duvidosa”, e ao acabar de o ler ouvi uma voz na minha cabeça que me disse “Ouve-o com atenção, há muito que podes aprender com a sua sabedoria”. Se ainda continuas a ler o texto é porque não te assustei.

De facto aprendi muito com o André, há mestria na maneira como desenvolve os seus argumentos, como se coordena com os ilustradores, mas sobretudo na coragem que tem de explorar as suas inquietações através dos seus personagens. Inquietações também eu tenho muitas, mas não desenvolvi a capacidade de as projectar em “entidades” exteriores a mim, nem com elas construir histórias cativantes capazes de ganhar prémios.

Uso muitos destes textos que vou escrevendo, aqui e na newsletter como forma de me afastar, de ler de outro ponto de vista coisas que de outra forma me arrebatam, que me paralisam. O André parte de “ideias duvidosas”, e constrói outras realidades, que passam a existir, que podem deixar ainda mais dúvidas, mas que se tornam certezas através do trabalho dedicado que ele coloca nelas.

Falámos no exemplo que quer ser para a sua filha, de possibilidade, que mais do que palavras quer deixar exemplo, algo que é muito mais poderoso do que tudo o que se possa dizer.

Ele falou não se lembrar de no seu percurso académico ter tido professores que tivessem sido exemplo para ele, que tivessem tido um papel marcante naquilo que ele faz e acredita. Ouvi outro dia uma frase que referia “haver muita preocupação com dificuldades de aprendizagem, mas pouca ou nenhuma com dificuldades no ensino“. Há com certeza professores que por este ou aquele motivo não são exemplo, que tem dificuldades em cativar os alunos, e que não fazem ideia de como apontar caminhos que permitam aos alunos descobrir caminhos mais desafiantes, mas em sintonia com o que de único e especial tenham. Sim, todos temos algo em que somos diferentes, únicos, e por essa razão especiais. Não digo que com isto sejamos todos os maiores e mais bem sucedidos na área que escolhermos, mas seremos com certeza seres humanos mais realizados, felizes, e com disponibilidade para o outro, pois não teremos de andar sempre a navegar os desejos e expectativas que os outros têm para nós.

O André disse que antes de encontrar este meio de expressão andava à deriva, sem saber quem era, a diferença é que hoje em dia, a escrita se tornou um veículo para não ficar parado.

Desejo encontrar o meu veículo. Sinto de alguma forma ser este, o de conversar com almas inquietas e criativas, que questionam, que mais do que profetas, querem ser exemplos de possibilidade.